Demissões continuam: rodoviário quer saber cadê a palavra dos patrões e do governador



Depois de mais de nove horas de audiência mediada pelo Ministério Público do Trabalho, o Sindicato dos Rodoviários aceitou um acordo muito vantajoso para os patrões. Arcando com apenas 30% do salário dos funcionários via MP 936 (o restante será pago via governo federal), era de se esperar que eles respeitassem o acordado. Só que não. Preferiram avançar nas demissões. Diante disso, temos um recado para a patronal: não aceitaremos redução salarial com essa quantidade de demitidos que vimos hoje! Existe um acordo fechado entre os rodoviários e a patronal para cancelar as demissões em massa. O cancelamento dessas demissões também foi uma exigência do Governo do Estado, que anunciou publicamente que os patrões tinham se comprometido em reverter as demissões. O que assistimos hoje foi um espetáculo grotesco de desonestidade e covardia da patronal. Mantiveram as demissões e, ainda por cima, não estão pagando o que devem aos trabalhadores. Nesta Páscoa, por culpa deles, muitos trabalhadores ficarão sem dinheiro nenhum no bolso. O Sindicato não desistirá. Tomará todas as medidas necessárias para barrar as demissões e garantir a estabilidade no emprego até setembro. Os rodoviários querem saber: cadê a palavra do Governador Paulo Câmara e da Urbana-PE?